Pesquisar

Nova Edição

Distribuição Gratuita
ISSN :2764-5304

Maureen Dunlop: uma história de determinação nos céus da Europa

LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Facebook

Quando pensamos em aviação, geralmente lembramos dos heróis que voaram em combate durante os grandes conflitos do século XX. São pessoas que mudaram o curso da história que pouco sabemos atualmente. A Air Transport Auxiliary (ATA), fundada no início da Segunda Guerra Mundial, era uma organização civil que prestou um grande serviço ao assumir a tarefa de transportar aviões de guerra da entre fábricas, unidades de manutenção e esquadrões de primeira linha. Durante a guerra, 1250 homens e mulheres de 25 países transportaram um total de 309.000 aeronaves de 147 tipos diferentes. E foi nesse contexto que Maureen Adel Chase Dunlop, uma argentina destemida, deixou sua marca na história da aviação.

Nascida em 26 de outubro de 1920, em Quilmes, Argentina, Maureen era filha de um australiano e uma inglesa, o que lhe conferiu dupla cidadania. Desde jovem, ela demonstrou interesse em voar e, em 1936, durante uma viagem à Inglaterra, teve suas primeiras aulas de pilotagem. Ao retornar à Argentina, modificou sua data de nascimento para continuar voando.

Créditos – Leonard McCombe

Foto: Maureen Dunlop

Inspirada pelo exemplo de seu pai, que serviu na Royal Field Artillery durante a Primeira Guerra Mundial, Maureen viu na Segunda Guerra Mundial sua oportunidade de seguir seus passos. Junto com sua irmã, viajou para a Inglaterra, onde se alistou na ATA como piloto. Para ser aceita, Maureen precisava comprovar 500 horas de voo, o dobro do exigido para os homens.

Na ATA, Maureen e outras mulheres pilotos transportavam aeronaves para o front. Em muitos casos, elas não sabiam qual aeronave iriam pilotar até o briefing matinal. Durante seu tempo na ATA, Maureen transportou mais de trinta tipos de aeronaves, incluindo o icônico Spitfire.

Autor Desconhecido – Imagem da Internet.

Após a guerra, Maureen tornou-se instrutora de voo da Royal Air Force (RAF) antes de retornar à Argentina, onde continuou sua carreira como piloto comercial. Mais tarde, mudou-se para a Inglaterra, onde se dedicou à criação de cavalos árabes, sua outra paixão.

Maureen Dunlop faleceu em 29 de maio de 2012, deixando para trás um legado de coragem e determinação nos céus da Europa. Sua história é um lembrete do papel fundamental das mulheres na história da aviação.

Foto de Capa: Dave Feaster

Comentários

EM ALTA

Nesta semana, a Azul Conecta promoveu um evento de lançamento da Nova Pintura “Pantanal Azul” em alusão ao Centro-Oeste brasileiro. As novas cores do Cessna 208B Grand Caravan matriculado pelo código PT-MEO que foi apresentado no Hangar da Azul Conecta em Jundiaí.

Leia Mais
ASAS ROTATIVAS
plugins premium WordPress